Prática registral: é possível que um imóvel rural situe-se no perímetro urbano, averbando-se o seu cadastro junto ao INCRA?

Sim, é perfeitamente possível, posto que, como é cediço, o que caracteriza um imóvel rural não é a sua localização, mas sim a sua destinação agrícola, ainda que situado no perímetro urbano ou área de expansão urbana.

Confira-se, a respeito, a decisão da Egrégia Corregedoria Geral da Justiça de São Paulo, postada abaixo.

PODER JUDICIÁRIO
TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO

CORREGEDORIA GERAL DA JUSTIÇA
Processo CG n° 2010/60789
(387/2010-E)

REGISTRO DE IMÓVEIS – Pedido para averbar junto à matrícula do imóvel os respectivos códigos de cadastramento no INCRA e no imobiliário rural da municipalidade – Pretensão negada em primeiro grau, a pretexto de estar o imóvel localizado dentro do perímetro urbano – Circunstância que não impede, porém, a averbação pretendida, tendo em vista a destinação agrícola dada ao prédio, a qual restou induvidosa nos autos – Viabilidade do deferimento do pedido – Recurso provido.

Excelentíssimo Senhor Corregedor Geral da Justiça:

Cuida-se de recurso interposto por José Oscar Arroyo Empreendimentos Imobiliários Ltda. contra decisão do MM. Juiz Corregedor Permanente do Oficial de Registro de Imóveis e Anexos da Comarca de Monte Azul Paulista, que indeferiu pedido de averbação junto à matrícula n° 8.583.

A recorrente sustenta, em síntese, ser possível a averbação pleiteada, tendo em vista que a natureza rural do imóvel decorre de sua destinação, independentemente de onde se localiza. Aduziu ser constitucional o art.15 do Decreto-lei n°57/66, que alterou o artigo 32 do CTN.

A D. Procuradoria Geral da Justiça opinou pelo provimento do recurso (fls.170/172).

Inicialmente remetidos ao Egrégio Conselho Superior da Magistratura, foram os autos redistribuídos a esta Egrégia Corregedoria Geral da Justiça, por ser a competente para apreciar recursos acerca de atos de averbação (fls.173/174).

A D. Procuradoria Geral de Justiça reiterou a fls.179 os termos de sua manifestação anterior.

É o relatório.

Opino.

Em primeiro lugar, ressalte-se que embora a recorrente tenha intitulado seu recurso como apelação, trata-se na verdade de recurso administrativo, como tal devendo ser apreciado, nos termos do artigo 246 do Código Judiciário do Estado de São Paulo, já que o inconformismo foi manifestado contra r. decisão proferida no âmbito administrativo pelo MM. Juiz Corregedor Permanente da Serventia Extrajudicial em exame.

O presente recurso merece provimento.

O Certificado de Cadastro de Imóvel Rural – CCIR copiado a fls.31 comprova que o imóvel em tela está cadastrado junto ao INCRA, nada impedindo, portanto, que o código de imóvel rural ali indicado seja averbado junto à respectiva matrícula, como pleiteado.

Da mesma forma, a certidão copiada a fls.32 demonstra que o prédio em exame, embora localizado dentro do perímetro urbano, está cadastrado no imobiliário rural da Municipalidade de Monte Azul Paulista sob n° 0234, com finalidade agrícola, sem incidência de IPTU, sendo viável, igualmente, pois, a averbação dessa circunstância.

Ressalte-se que a recusa de averbação decorreu do fato de o imóvel encontrar-se atualmente localizado no perímetro urbano do município, como consta da matrícula a fls.51, mas referida circunstância, por si só, não se constitui em obstáculo a que se reconheça a natureza rural do prédio, a qual decorre de sua destinação agrícola, independentemente de sua localização.

Este, aliás, o entendimento adotado no parecer proferido nos autos do Processo CG 2009/81515, aprovado por Vossa Excelência, conforme a seguinte ementa:

REGISTRO DE IMÓVEIS – Averbação que indica o número de inscrição municipal do imóvel e que este foi declarado, por lei, como parte integrante da área urbana do município – Pedido de cancelamento negado – Certidão da Prefeitura que demonstra que o número de inscrição municipal indicado na averbação refere-se à matrícula de outro imóvel – Retificação necessária – Caracterização do imóvel como rural ou urbano que depende de sua destinação e não de sua localização – Certificado de Cadastro de Imóvel Rural – CCIR que demonstra o cadastramento junto ao INCRA – Averbação determinada – Recurso provido em parte.

Por este motivo, mostra-se irrelevante que as certidões relativas ao imóvel em tela, expedidas pela Prefeitura em anos anteriores, tenham feito referência apenas à sua localização dentro do perímetro urbano, nada tendo constado acerca da natureza de seu uso.

As fotografias de fls.112/129, que instruíram o pedido inicial, não deixam margem a dúvidas, quanto à destinação rural dada ao imóvel em tela, como se vê, por exemplo, a fls.48.

Por fim, para que o imóvel deixe de ostentar a natureza rural havida até então não basta que a lei municipal passe a considerá-lo como estando localizado dentro do perímetro urbano, sendo necessário, pois, que o INCRA reconheça tal circunstância, descadastrando-o, o que, porém, ao que consta dos autos, não ocorreu ‘in casu’.

Ante o exposto, o parecer que respeitosamente submeto ao elevado critério de Vossa Excelência é no sentido de que a apelação interposta pela recorrente seja recebida como recurso administrativo, na forma do artigo 246 do Código Judiciário do Estado de São Paulo, e que a ele seja dado provimento, deferindo-se as averbações pleiteadas.

Sub censura.

São Paulo, 09 de dezembro de 2010.

WALTER ROCHA BARONE

Juiz Auxiliar da Corregedoria

DECISÃO: Aprovo o parecer do MM. Juiz Auxiliar da Corregedoria e, por seus fundamentos, que adoto, recebo a apelação interposta como recurso administrativo, na forma do art. 246 do Código Judiciário do Estado de São Paulo, dando-lhe provimento, para deferir as averbações pleiteadas. Publique-se. São Paulo, 13.12.2010. – (a) – Des. ANTONIO CARLOS MUNHOZ SOARES – Corregedor Geral da Justiça.

Diário da Justiça Eletrônico de 10.01.2011
Decisão reproduzida na página 02 do Classificador II – 2011

About these ads

Sobre Luciano Passarelli

Registrador Imobiliário. Mestre e doutorando em Direito Civil (PUC-SP). Professor de Direito Notarial e Registral Imobiliário. Coordenador Editorial do IRIB.
Esse post foi publicado em Uncategorized. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s